E quando ficamos reféns das “químicas”?

Olá gente linda! Hoje trago para vocês mais uma história da campanha #cabeleireiroamigodoscachos e, para quem ainda não conhece a nossa campanha, entenda melhor neste post aqui.
Confiram a história que a leitora Flávia Barbosa nos enviou:
“Usei Wellin Mel por muitos anos para tentar alisar os cabelos e o que conseguia era reduzir mais o volume e ter sempre um cabelo bem diferente, pois à medida que a raiz crescia, era necessário novas aplicações que aconteciam a cada 3 meses e, é claro que, por mais que se tentasse fazer um retoque, um pouco do produto pegava onde já havia sido passado. Descontente com o resultado e com o surgimento de novos produtos, em 2002 comecei a usar guanidina… no começo ficou ótimo, mas com o tempo o cabelo ficou parecendo palha, muito ressecado, mesmo fazendo SOS. O incrível é que até então nenhum cabeleireiro(a) me incentivava a usar e valorizar meus crespos naturais. A tristeza de ver os cabelos cada vez mais feios e a grande dependência de química, bem como de andar escovada, me entristecia, pois era impossível sair em dias chuvosos sem ficar preocupada. 
Em 2006, conheci uma cabeleireira que me auxiliou quanto a cuidar dos fios e deixar de usar qualquer tipo de alisamento, cuidando apenas com boas hidratações e escovando (fato que pra mim foi um espanto: ‘encontrar uma cabeleireira que não via necessidade de alisar o meu cabelo’). Depois fui morar em outro estado (Rio de Janeiro em 2008) e por meio do blog encaracoladas soube que o cabeleireiro Almiro Nunes estava recrutando mulheres com cabelos crespos para fazer demonstrações dos produtos da linha DEVA… E conhecer tal profissional, bem como os produtos da linha transformaram minha vida. Hoje me aceito e me acho linda cacheada.”

Minha opinião:

Acredito que muitas de nós (cacheadas e crespas) já passamos por isso em algum momento da vida! Eu já quis reduzir o volume do meu cabelo e sempre recorria às “químicas”. O problema é que o cabelo vai perdendo a forma e  ficando mais ressecado gradativamente. E, quando não encontramos um profissional que saiba “corrigir” o problema, é pior ainda!
Você teve muita sorte Flávia, porque ainda hoje é difícil encontrar um bom profissional que não queira alisar os nossos cabelos e, aqueles que entendem de cachos, cobram muito caro!!!
Parabéns à sua cabeleireira que te ouviu e te ajudou a cuidar melhor dos cachos!
Comente com Facebook

Mais:

4 Comentários

  1. Depois que começa a entrar na química, fica realmente refém, viu. Você vê pelas pessoas que acham que cabelo liso é mais fácil de se cuidar e preferem alisar os cachos, é complicado. É melhor nem embarcar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *