Meus cachos, minha história! (Natália Martimiano)

Olá gente linda, tudo bem? A Nathália Martimiano nos contou sua história e resolvi publicar aqui para vocês terem como um exemplo! É muito bom ver histórias de pessoas que aprenderam se amar inteiramente! Confiram:
Dos 14 até os 17 anos eu não sabia como cuidar dos meus cabelos, não sabia como utilizar meus cachos. Eu penteava muito, estivessem molhados ou secos.
Depois passei a fazer escova/chapinha quinzenalmente (o bolso da minha mãe que sabe, rs). Mas de 2007 pra cá, comecei a me interessar mais por essas molinhas que vivem na minha cabeça desde sempre. 
Aprendi que cabelo crespo só se penteia molhado, com pente de dentes largos ou com as próprias mãos. Aprendi a passar o ‘creme de pentear’ SOMENTE nas pontas, a fazer hidratação semanalmente (em casa mesmo) e o melhor de tudo: Aprendi a soltar meus cabelos! Parei de deixá-los presos o tempo inteiro.
Com o tempo, passei a ter ‘coragem’ e ir mudando o corte aos poucos. Quem tem cabelo crespo sabe: sofremos no calor se tivermos cabelos muito compridos.
E a coragem maior foi em novembro do ano passado, quando decidi deixá-los mais curtos, com a nuca aparecendo. Pra mim foi um grande desafio em que o resultado final me deixou apaixonada. Me pergunta hoje se eu deixo meus cabelos enormes de novo? – Não!
Pra mim, não existe coisa melhor do que poder lavar os cabelos mais de uma vez por dia e deixar o tempo lá fora secar naturalmente. Não existe coisa melhor do que não depender de secador, chapinha, botox capilar, escova progressiva e afins. E em relação a isso, quem mais agradece é minha carteira.
O mais engraçado é quando ando pelas ruas de Itapeva. Percebo alguns olhares de espanto, outros de admiração em conseguir deixar o cabelo estilo “Black Power” com tiaras, flores e lenços estampados, que dão ainda mais destaque no meu pixaim. Digo pixaim, mas de uma forma carinhosa. Gosto disso!
Em Santos, ganhei o apelido de “Da Mata”, outra coisa que amei de paixão e levo como um elogio que eleva meu ego. Sério!
Gosto dos meus cachos e gosto mais ainda quando secam e ficam com aquele armado ‘arrumadamente bagunçado
Para quem tem cabelos crespos como os meus, experimente ‘assumí-los’ do jeito que Deus deu. Garanto que irá se sentir mais leve.” 
♪ ♫ “Olha a nega do cabelo duro, que não gosta de pentear…”♪♫
E aí, gostaram da história? Comentem!!!
Comente com Facebook

Mais:

4 Comentários

  1. Menina que moça linda
    e os cachos,um arrazo
    fico com um pouco de invejinha
    agora que sou escava da chapinha,
    parabenizo que teim cachos
    Como diz um ditado:
    Em terra de chapinha quem teim
    cachos é rainhas,
    Parabéns rainhas.

  2. Já sofri preconceito também, antigamente riam do meu cabelo, na época que fiz o permanente, quando meus cachos não definiam. Como eu era criança, ficava triste, chateada e não queria usar o cabelo solto. Mas depois, fui aprendendo a conviver e me aceitar, e hoje me amo assim, de qualquer jeito, com bastante volume e prefiro sempre solto! o/

    Ah, amei os cachos da moça da história!

Deixe uma resposta para Juliana Azevedo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *